Mudança na Bandeira Tarifária de Energia em Dezembro 2019



Bandeira Tarifária passa de vermelha para amarela.

De acordo com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), na última sexta feira (29), as contas de energia devem passar por um reajuste, ficando mais baratas no mês de dezembro. De acordo com o órgão nacional, a bandeira tarifária deve passar de vermelha 1 para amarela nesse próximo mês.

A bandeira amarela diminui o custo da energia extra, que agora passa a custar R$ 1,343 a cada 100 quilowatts por hora que são consumidos, ao contrário de R$ 4,169 que era cobrado pela bandeira tarifária vermelha 1, que estava sendo usada até então.



Por que a mudança?

De acordo com as previsões meteorológicas, o mês dezembro terá melhora em suas condições climáticas, aumentando as condições de chuva, que restaura e repõe boa parte das bacias hidrográficas do SIN (Sistema Interligado Nacional). É nessa época do ano que se inicia o período úmido das regiões onde essas bacias se encontram.

A previsão e a mudança de bandeira se dá devido as vazões de afluentes dos principais reservatórios do país, que se elevam de forma gradativa, conforme as chuvas vão acontecendo. Essa condição que atinge patamares abaixo da média, quando se compara a história, repercute em toda a capacidade que as hidrelétricas podem produzir, sem contar que como não é preciso o acionamento das termelétricas, o impacto disso afeta diretamente o preço da energia.

Os custos relacionados ao GDF (risco hidrológico) e o PLD (preço da energia) são duas variáveis responsáveis por determinar qual será a bandeira cobrada nas contas de energia.



O sistema de bandeiras

De acordo com o sistema das bandeiras tarifárias que estão em vigor desde 2015, os valores cobrados são realizados da seguinte forma:

  • Cor verde: não cobra taxas extras, o que indica que a geração de energia no país está favorável.
  • Cor amarela: cobra taxa no valor de R$ 1,343 a cada 100 kWh que são consumidos.
  • Cor vermelha 1: cobra uma taxa adicional de R$ 4,169 a cada 100 kWh consumidos.
  • Cor vermelha 2: a taxa cobrada é de R$ 6,243 a cada 100 kWh consumidos.

A cobrança das taxas tarifárias e os níveis de bandeiras são feitos para provocar de alguma forma o uso consciente de energia. Antes disso, o sistema e o custo de energia eram reajustados e repassados nas tarifas de forma anual, e cada empresa possuía a sua taxa básica e incidência de juros. Com esse sistema, o custo é único em todo o país, assim como as tarifas que mudam de acordo com as condições do clima.

Decreto sobre as bandeiras tarifárias

Segundo a Aneel, as bandeiras tarifárias de custo de energia foram homologas considerando sempre a previsão e variação dos custos, pela geração de energia através das termelétricas. Com isso, a exposição dos preços junto da liquidação do mercado pode afetar no curto prazo os agentes que distribuem energia elétrica.

De acordo com o texto anterior, as bandeiras mudavam a cada ano, e agora, há uma periodicidade maior para a mudança dessas taxas, o que pode fazer com que os consumidores adequem o seu consumo de anergia, sabendo quais taxas estão sendo cobradas e como está a situação da energia no país.

Economizar energia

Por mais barata que esteja a energia, é preciso ter consciência do uso da mesma em cada residência. Além de economizar, o uso consciente de energia gera benefícios para o país, que também economiza em produção e também não gasta com energia termelétrica, que é uma das energias mais caras para o país.

Por Susan NogArt



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *