Plebiscito O Sul Meu é País – Independência da Região Sul

Categoria: Brasil, Notícias 200 0

  

Plebisul traz a ideia separatista da região sul do Brasil do restante do país.

Mais uma vez, na história do nosso país, os movimentos políticos encabeçados por pessoas livres e de bons costumes neste país e que defendem a emancipação ou a completa independência de uma região específica em relação às demais voltam com força nestes tempos conturbados de crise.

A exemplo do que aconteceu recentemente com a Catalunha, na Espanha e o famoso Brexit, no Reino Unido, desta vez, volta com força total a ideia separatista da região sul brasileira do restante do país (Plebisul). Para conferir, clique aqui – plebisul.sullivre.org/Resultado/Index.

Em vários momentos ao longo da história dos países e nações sempre foi muito comum que aqueles que se julgavam mais desenvolvidos ou que gozassem de uma certa condição econômica, social ou política mais privilegiada pudessem ter a convicção de que seriam autossuficientes e esta condição poderia lhes trazer uma independência aos demais.

Se nos atentarmos para as questões culturais, o fato de que as suas origens culturais que se expressam nos costumes e até mesmo na língua adotada por regiões adjacentes como responsáveis por alguns idiomas falados na atualidade poderiam servir de justificativa para um separatismo, como no caso da região da Catalunha e seu plebiscito que defende a separação do resto da Espanha.

Em outros casos, o fator econômico é o mais preponderante. A partir do momento em que uma região ou país atinge uma independência financeira, com uma moeda forte e uma duradoura estabilidade econômica, torna-se desnecessário ficar vinculado a outros menos favorecidos, o que os tornaria como um verdadeiro ‘contra-peso’ ao crescimento econômico do primeiro. Vejamos a polêmica questão do Brexit entre o Reino Unido e a sua permanência na Comunidade Econômica Europeia (CEE).

O fato é que sentimento de orgulho ou vaidade de seus habitantes de um determinado país, aliado ao fator cultural e econômico podem interagir na questão de uma independência de território.

Todos estes fatores estão precipitados na polêmica questão separatista da região sul do Brasil.

Voltando agora com força total, o movimento de independência defendido pela região sul do país parte agora para uma consulta popular que pode ser estendida para pessoas que não morem na própria região.



Organizado pelo Movimento O Sul é Meu País, cuja comissão organizadora já publicou até uma cartilha para explicar todo o movimento (Veja aqui – www.sullivre.org/cartilha-explicativa-plebisul-2017-tudo-que-voce-precisa-saber-sobre-a-maior-consulta-popular-da-america-portuguesa/), o movimento busca através de uma consulta popular conseguir apurar quais são os números favoráveis ou não ao movimento separatista.

A coleta de dados se fará nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. A pergunta feita nestes estados será a de que se os mesmos concordam em se separarem do resto do país.

A consulta deverá ocorrer no dia 07 de outubro e várias urnas deverão estar espalhadas em vários locais nos estados citados acima. Para saber qual a urna mais próxima de sua casa, o eleitor pode consultar o site do plebiscito (descrito no início deste artigo). Lá ele deverá colocar o nome da cidade onde mora e serão listados os locais de votação disponíveis.

De acordo com as informações divulgadas na mesma página, o resultado poderá ser conhecido já a partir das 17 horas do mesmo dia de votação. A pergunta é simples, basta o morador responder ‘Sim’ ou ‘Não’(voto impresso em papel timbrado).

Como não tem força amparada pelas autoridades brasileiras, o resultado a ser conferido servirá de base para demonstrar ao resto do país qual o posicionamento real de todos os habitantes da região sul sobre a questão separatista.

O objetivo final segundo demonstrado pelos organizadores do movimento é que, dependendo do resultado final, caso os eleitores compareçam em massa, é que possa virar um projeto de iniciativa popular e assim sensibilizar aos parlamentares para a convocação de um segundo plebiscito, desta vez, oficial e onde a questão possa ser colocada como mais uma questão de máxima importância para o futuro da nação.

Por Liana Gifoni

Plebisul



Artigos Relacionados

Deixar um Comentário